Martes, 06 de Diciembre de 2022

No cade, rivais contestam fusão de rede d’or e sulamérica

BrasilO Globo, Brasil 25 de noviembre de 2022

A compra da SulAmérica, maior seguradora independente do Brasil, pela Rede D’Or " principal cadeia ...

A compra da SulAmérica, maior seguradora independente do Brasil, pela Rede D’Or " principal cadeia integrada de cuidados em saúde do país " está mobilizando seus concorrentes junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que regula a competição entre as empresas no país. Grandes expoentes do setor, como os grupos hospitalares Sírio-Libanês e AC Camargo, e a Bradesco Saúde, compõem uma longa lista de empresas do setor que tentam barrar a fusão.
Dona de 69 hospitais e presente em 11 estados, a Rede D’Or informou ontem, em comunicado ao mercado, que outras empresas do setor de saúde entraram com recurso no Cade contra a decisão da superintendência do órgão, que aprovou sem ressalvas, no último dia 7, a compra da SulAmérica pelo grupo.
Verticalização reversa
O recurso é movido por um grupo chamado tecnicamente de "terceiros habilitados", ou seja, que estão aptos a contestar a operação. Como mostrou o colunista do GLOBO Lauro Jardim, o pedido de reavaliação do negócio foi feito pelos hospitais e grupos de saúde Sírio-Libanês, Albert Einstein, Mater Dei, AC Camargo, Oswaldo Cruz, Supermed, Benevix, Beneficência Portuguesa (SP) eHospital do Coração (SP).
O Bradesco e a Beneficência Portuguesa de Pernambuco tentaram, mas não se habilitaram dentro do prazo para contestar a operação. No recurso protocolado na quarta-feira, o Bradesco aponta fragilidades na análise feita pelo órgão e pede um aprofundamento do estudo econométrico e do impacto dessa operação no mercado de saúde privada.
O Bradesco chama atenção para uma verticalização reversa implementada pela fusão, já que a Rede D’Or passa a ser dona de uma operadora de plano de saúde. O recurso aponta que isso levará ao incentivo de direcionamento de pacientes da SulAmérica para a rede.
Ainda segundo o Bradesco, a análise do Cade não considerou "que a operação representará importante mudança de paradigma na dinâmica competitiva no setor de saúde, de modo que a verticalização passará a ser variável competitiva relevante nos mercados de hospitais e operadoras."
Nada definido
De acordo com um ex-executivo do Cade, a indicação de aprovação sem restrição da superintendência do órgão não representa uma decisão final. O colegiado do Cade pode acatar a decisão da superintendência, mas não está descartado que, diante dos recursos, recomende restrições ou até venha a reprovar a fusão.
Em fevereiro, a Rede D’Or fechou a compra da SulAmérica Seguros, que tem 4,85 milhões de usuários entre planos de saúde médico-hospitalar e odontológico. A operação foi autorizada pelo secretário-geral do Cade, Alexandre Barreto, no início de novembro.
Procurado, o Grupo Bradesco não quis comentar as movimentações em curso no setor apontadas no recurso. A SulAmérica não quis se pronunciar, uma vez que o caso ainda está tramitando nos órgãos reguladores competentes.
A Rede D’Or também afirmou que não comenta processo em andamento. Em comunicado enviado ao mercado, afirmou que "manterá seus acionistas e o mercado informados sobre as etapas relevantes relacionadas à consumação da operação, inclusive no que diz respeito às decisões finais eventualmente proferidas pelas autoridades governamentais competentes, na forma da lei e da regulamentação da CVM", referindo-se ao órgão regulador do mercado de capitais. As ações da Rede D’Or terminaram o dia com alta de 6,92% no Ibovespa, principal índice da B3.