Lunes, 30 de Noviembre de 2020

A vila militar não se animoucom a eleição do rio

BrasilO Globo, Brasil 29 de noviembre de 2020

Em que pesem os apelos "patrióticos" de Bolsonaro, parece que a Vila Militar não se interessou ...

Em que pesem os apelos "patrióticos" de Bolsonaro, parece que a Vila Militar não se interessou muito pela eleição municipal de domingo, dia 15. Dados do TSE compilados pelo sistema MapVoto, da Kartor Informática, revelam que, das 11.467 urnas da cidade, a que teve maior abstenção (53,1%) foi a da Escola Municipal Rosa da Fonseca, na Vila Militar. Entre os que votaram, Crivella, que teve o apoio de Bolsonaro, obteve 39,7%; e Paes, 18,6%.
O homem das trevas
A Prefeitura do Rio deve R$ 192 milhões para a Light " sendo que R$ 62 milhões são da área da Saúde, caso dos hospitais. A única conta que Crivella paga em dia é a do prédio da Prefeitura, na Cidade Nova, onde o prefeito despacha.
Agora, João Doria?
Dias 10 e 11 de dezembro, no Grand Hyatt São Paulo, haverá um Fórum Empresarial do Grupo Lide, que tem entre seus fundadores o governador paulista João Doria. O evento será presencial e on-line, admitindo a presença de até 150 pessoas, reunidas em plena pandemia.
Quer enganar a quem?
Já notou que, quase toda vez que um bacana (ou empresa) é flagrado numa coisa feia, o discurso carrega a mesma ladainha do "estamos cooperando com as autoridades para a apuração da verdade". Foi o caso do grupo Vector, cujos funcionários que faziam a segurança do Carrefour mataram João Alberto.
Dormindo com o inimigo
Os funcionários do novo restaurante Dom Hélio, na sede do Fluminense, usavam uniforme... vermelho e preto. Dias após as queixas, passaram a usar as cores do clube. Ah bom!