Miércoles, 27 de Octubre de 2021

Líder do nubank se compromete a doar parte de sua fortuna

BrasilO Globo, Brasil 12 de agosto de 2021

capital

capital
O fundador do Nubank, David Vélez, e sua mulher, Mariel Reyes, assinaram ontem sua adesão à Giving Pledge, iniciativa de Bill e Melinda Gates para estimular endinheirados a doar grande parte de suas fortunas.
Até agora, o único bilionário latino-americano que havia assinado o compromisso era o fundador da Cyrela, Elie Horn (que é sírio, mas veio para o Brasil bebê e fez fortuna aqui).
Vélez e Mariel não deixaram claro quanto vão doar, mas afirmaram que vão injetar "a maior parte do nosso patrimônio em filantropia". Vão criar uma nova plataforma filantrópica que focará em "melhorar as oportunidades para as crianças e jovens adultos mais vulneráveis e desfavorecidos da América Latina."
Novo bilionário
A fortuna de Vélez foi avaliada em US$ 5,2 bilhões " cerca de R$ 27 bilhões " pela revista Forbes. Aos 39 anos, ele foi uma das novidades do último ranking da publicação americana como 539ª pessoa mais rica do mundo e 12ª do Brasil. Ele é colombiano, mas fundou o Nubank em São Paulo.
Como o banco digital está prestes a fazer uma oferta pública inicial de ações ( IPO), o patrimônio dele deve crescer ainda mais quando o valor de mercado da empresa for precificado na Bolsa. O patrimônio de Vélez já supera os de André Esteves, sócio do BTG (US$ 4,5 bilhões) e Guilherme Benchimol, fundador da XP (US$ 2,6 bilhões).
Vélez fundou o Nubank ao lado da Cristina Junqueira e do americano Edward Wible em 2013. Atualmente, ele é CEO global da fintech e Cristina comanda as operações no Brasil.
Um dos primeiros unicórnios (como são chamadas as start-ups que valem mais de US$ 1 bilhão) do Brasil, o Nubank tornou-se, em janeiro, a décima empresa mais valiosa do país após receber aporte de US$ 400 milhões que avaliou a companhia em US$ 25 bilhões. Foi a sétima rodada da fintech, que já levantou ao todo US$ 1,2 bilhão entre investidores que vão do bilionário americano Warren Buffett à cantora Anitta.
Este texto foi originalmente publicado na coluna Capital, no site do GLOBO: blogs.oglobo.globo.com/capital