Viernes, 21 de Junio de 2024

Campos neto: arcabouço elimina o risco de descontrole da inflação

BrasilO Globo, Brasil 26 de mayo de 2023

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou ontem que a aprovação do arcabouço ...

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou ontem que a aprovação do arcabouço fiscal eliminou a expectativa de risco de descontrole da inflação. O recuo da prévia da inflação, o IPCA-15, deste mês também contribuiu para levar otimismo ao mercado, e o Ibovespa, índice de referência da Bolsa brasileira, fechou em alta de 1,15%, aos 110.054 pontos.
" O arcabouço tem um grande poder de influenciar a expectativa de inflação futura, porque existia um medo de que a inflação pudesse, simplesmente, sair do controle. O arcabouço deixa muito claro que esse medo não existe mais. Você eliminou o que chamamos de risco de cauda " disse Campos Neto em entrevista à GloboNews.
Ele reforçou que não há relação direta entra a aprovação da regra fiscal e uma eventual redução de juros, ressaltando que o impacto se dá nas expectativas de agentes do mercado. E citou como exemplo o recuo das taxas de juros futuros. Ontem, a taxa DI com vencimento em janeiro de 2025 caiu de 11,63% para 11,47%, uma queda de 1,38%. Para Alexsandro Nishimura, economista e sócio da Nomos, houve "impacto nítido" das declarações de Campos Neto.
O presidente do BC ainda elogiou a articulação do governo para aprovar o arcabouço:
" Muito impressionante esse processo. Eu reconheço o grande trabalho feito pelo governo, pelo ministro Fernando Haddad. E como o Congresso se mobilizou e fez uma votação rápida e expressiva. O arcabouço fiscal é um tema muito importante para a gente (BC) porque influencia nas expectativas.
previsão de IPCA menor
Campos Neto descartou confirmar uma redução na taxa básica de juros (Selic), atualmente em 13,75% ao ano, no futuro próximo, argumentando que é um voto do total de nove no Comitê de Política Monetária (Copom).
Ele reconheceu que o IPCA-15 de maio (veja ao lado) "veio melhor". Apesar disso, reafirmou que o processo de desinflação no Brasil está "em ritmo muito lento", o que demanda uma política monetária restritiva.
" Achamos que o processo de desinflação ainda não acabou e precisamos ter certeza de que faremos a inflação convergir para o alvo " disse Campos Neto em vídeo gravado para um evento da agência de classificação de risco Moody’s.
O secretário executivo do ministério da Fazenda, Gabriel Galípolo, recém-nomeado para a Diretoria de Política Monetária do BC, afirmou ontem que o mercado já prevê um corte de pelo menos 3,5 pontos percentuais na Selic nos próximos 18 meses. Segundo Galípolo, o preço de ativos como câmbio e juros de longo prazo, por exemplo, sinalizam essa expectativa.
" Havia muito ceticismo em cada anúncio que era feito (pelo governo). Havia a reoneração dos combustíveis e sem arcabouço fiscal. Mas agora, olhando o preço dos ativos, vemos o real em um patamar mais valorizado (que o dólar) e os juros longos no segundo semestre chegando a 10%. Isso envolve um corte de 3,5 pontos percentuais da Selic nos próximos 18 meses " afirmou em evento na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).
Em relatório, os analistas da XP Rodolfo Margato e Alexandre Maluf reduziram suas projeções para inflação este ano de 6,2% para 5,4%. Eles avaliam que a queda nos preços das commodities e o recuo do câmbio darão alívio à inflação.
Analistas de mercado acompanham com lupa os índices de inflação, pois a expectativa é que o BC dê início ao ciclo de cortes da Selic quando os preços forem controlados. Por isso, empresas mais sensíveis a juros, como varejistas e construtoras, avançaram ontem, graças à desaceleração do IPCA-15.
A MRV ficou entre as maiores altas do dia, com ganho de 10,33% nas ações ordinárias (ON, com direito a voto), a R$ 10,04. Os papéis ON da Via, dona de Ponto e Casas Bahia, saltaram 7,76%, a R$ 2,36. E a Renner avançou 6,04%, a R$ 19,50.
Mas a maior alta foi da Hapvida: 10,99%, a R$ 3,94. O Bank of America (BofA) reforçou a recomendação de compra do ativo e elevou seu preço-alvo de R$ 4 para R$ 5,50.
Dólar sobe 1,66%
Com o argumento de que "a Bolsa está barata", Gabriel Meira, sócio da Valor Investimentos, afirmou que "qualquer notícia positiva é capaz de promover fluxo e puxar os preços para cima". Com a aprovação do arcabouço fiscal, ele projeta que o Ibovespa atinja os 115 mil pontos:
" Os resultados das empresas vêm superando as expectativas dos analistas, mas ninguém vai para a Bolsa enquanto se tem um retorno de quase 14% (da Selic) sem fazer nada.
Entre os papéis mais negociados, a ação preferencial (PN, sem voto) da Petrobras recuou 0,75%, a R$ 25,46, seguindo o movimento do petróleo no exterior. Depois de o vice-primeiro-ministro russo, Alexander Novak, minimizar a perspectiva de novos cortes de produção da Opep+ na reunião da semana que vem, os contratos futuros do Brent recuaram 2,7%, a US$ 76,25 o barril, e os do WTI perderam 3,4%, a US$ 71,83.
Já Vale ON caiu 0,31%, a R$ 64,85. Segundo Marcus Labarthe, sócio da GT Capital, a lenta recuperação da economia da China e a falta de estímulos em grande escala têm afetado as commodities.
" A demanda acabou sendo maior no mercado de consumo e não no mercado imobiliário, que historicamente impulsionou o minério de ferro. E a China compra 70% do minério de ferro exportado pelo Brasil " disse Labarthe.
Já o dólar comercial subiu 1,66%, a R$ 5,0355. Segundo Nishimura, da Nomos, a perspectiva de corte de juros no Brasil e manutenção de uma política mais restritiva nos Estados Unidos faz investidores preferirem a maior economia do mundo.
Margato e Maluf, da XP, avaliam que a aprovação do arcabouço fiscal ajudou a reduzir os prêmios de risco. Com isso, eles veem o dólar a R$ 5 no fim do ano, contra R$ 5,30 anteriormente.
La Nación Argentina O Globo Brasil El Mercurio Chile
El Tiempo Colombia La Nación Costa Rica La Prensa Gráfica El Salvador
El Universal México El Comercio Perú El Nuevo Dia Puerto Rico
Listin Diario República
Dominicana
El País Uruguay El Nacional Venezuela