Lunes, 17 de Junio de 2024

Brasil cria 220,8 mil vagas formais em agosto

BrasilO Globo, Brasil 3 de octubre de 2023

A economia brasileira gerou 220,844 mil postos de trabalho com carteira assinada em agosto, número ...

A economia brasileira gerou 220,844 mil postos de trabalho com carteira assinada em agosto, número que veio acima das expectativas do mercado, mas 23,33% menor em relação ao mesmo período do ano passado. Em 2022, foram 288,096 mil vagas geradas.
No primeiro semestre deste ano, foi aberto cerca de 1,388 milhão de postos de trabalho com carteira assinada. Nessa comparação, também houve queda em relação a 2022. A expectativa do governo é terminar o ano com um saldo positivo próximo de dois milhões de vagas.
Os dados constam no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado ontem pelo Ministério do Trabalho.
" Nós mantemos a previsão de 2 milhões (até o fim do ano), olhando o comportamento do mês a mês. Se mantivermos a média de 200 mil por mês, podemos ultrapassar 2 milhões " avalia o ministro do Trabalho, Luiz Marinho.
O estoque de trabalhadores com carteira assinada até agosto ficou em 43,83 milhões. Marinho lembra que tradicionalmente se espera um saldo negativo no mês de dezembro, pela sazonalidade do período. O ministro também acrescenta que a previsão de 2 milhões de postos para o fim do ano é "conservadora".
No oitavo mês deste ano, os cinco grandes grupos de atividade econômica registraram saldos positivos: serviços (114.439 postos), comércio (41.843), indústria (31.086), construção (28.359) e agropecuária (5.126).
" Surpreendeu positivamente, superando o teto das expectativas (209,692 mil). O fato é que temos sinais de que a desaceleração do mercado de trabalho segue bastante gradual. O mercado ainda está aquecido, o que produz um efeito (positivo) no PIB " analisa Camila Abdelmalack, economista-chefe da Veedha Investimentos.
O salário inicial foi de R$ 2.037,90, estável frente a julho.
" Os dados refletem a recuperação gradual da nossa economia " avalia Cristiane Quartaroli, economista do Banco Ourinvest.
O Rio foi a segunda capital que mais gerou empregos em agosto, só ficando atrás de São Paulo. Este ano, foram 40.734 novos postos de trabalho na cidade do Rio. (Renan Monteiro)
La Nación Argentina O Globo Brasil El Mercurio Chile
El Tiempo Colombia La Nación Costa Rica La Prensa Gráfica El Salvador
El Universal México El Comercio Perú El Nuevo Dia Puerto Rico
Listin Diario República
Dominicana
El País Uruguay El Nacional Venezuela