Sábado, 24 de Febrero de 2024

Israel promete passagem segura antes de invadir rafah

BrasilO Globo, Brasil 12 de febrero de 2024

A ameaça de uma incursão israelense em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, persistia ontem, ...

A ameaça de uma incursão israelense em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, persistia ontem, depois de o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu ter prometido "passagem segura" para as centenas de milhares de civis deslocados para lá. Em entrevista divulgada ontem, ele reafirmou a sua intenção de estender a operação militar israelense a Rafah, cidade que faz fronteira com o Egito. Apesar do alerta internacional sobre a possibilidade de um massacre na cidade que abriga metade dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza, Netanyahu disse: "Vamos fazê-lo".
O premier afirmou concordar "com os americanos" que a operação precisará antes planejar o impacto sobre os civis.
" A vitória está ao nosso alcance " disse Netanyahu, uma frase que ele usou várias vezes na semana passada, acrescentando que "faremos isso enquanto damos passagem segura à população civil, para que possam partir", segundo trechos da entrevista divulgados pela ABC.
Mas não está claro para onde poderiam ir tantas pessoas aglomeradas na fronteira com o Egito. A este respeito, Netanyahu limitou-se a dizer que "estamos trabalhando num plano detalhado". Rafah é a única cidade de Gaza onde as forças israelenses não entraram, apesar de a bombardearem diariamente.
" Eles disseram que Rafah era segura, mas não é. Todos os lugares são atacados " disse o palestino Mohamed Saydam após um ataque israelense em Rafah.
alertas de ‘desastre’
Netanyahu, que afirmou que a "vitória" sobre o Hamas só pode ser alcançada com a entrada de tropas em Rafah, ordenou na sexta-feira às suas forças que se preparassem para a operação. O anúncio gerou um coro de preocupação por parte de líderes mundiais e grupos de ajuda humanitária.
"O povo de Gaza não pode desaparecer no ar", escreveu a ministra dos Negócios Estrangeiros alemã, Annalena Baerbock, na rede social X (antigo Twitter).
A Chancelaria da Arábia Saudita alertou no sábado para "repercussões muito graves de um ataque em Rafah e convocou uma reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU". Mais da metade dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza estão agora abrigados na cidade. Um importante líder do Hamas, em entrevista ao canal de TV al-Aqsa, afirmou que qualquer ofensiva terrestre na cidade "explodirá" as negociações de um potencial acordo de cessar-fogo. Netanyahu rejeitou a proposta de trégua depois de descrever as exigências do Hamas como "bizarras".
Mas os EUA, principal aliado de Israel, alertaram que a invasão de Rafah poderia causar um "desastre". Ontem, o presidente Joe Biden disse a Netanyahu em telefonema que uma operação militar não deve ocorrer sem um plano que "garanta a segurança" da população, informou a Casa Branca. Na quinta-feira,ele chamou a campanha militar de Israel de "excessiva".
La Nación Argentina O Globo Brasil El Mercurio Chile
El Tiempo Colombia La Nación Costa Rica La Prensa Gráfica El Salvador
El Universal México El Comercio Perú El Nuevo Dia Puerto Rico
Listin Diario República
Dominicana
El País Uruguay El Nacional Venezuela