Jueves, 02 de Abril de 2020

Quarentena muda métodos de trabalho para jogadores e funcionários

BrasilO Globo, Brasil 2 de abril de 2020

um clube em home office

um clube em home office
O Flamengo colocou em prática um sistema de treinamento em home office para seus jogadores durante a paralisação do futebol, em meio à pandemia do novo coronavírus. Sem saber quando a bola vai voltar a rolar, o clube adotou um programa de manutenção da forma física dos atletas em casa, e deixou outro plano de treinos arquitetado para ser implementado quando houver uma data de retorno no horizonte.
Entender como um clube funciona em home office é o primeiro capítulo de uma série especial de reportagens em que O GLOBO vai mostrar como o futebol sobrevive em tempos de pandemia.
Embora haja particularidades entre clubes da Série A, o modelo adotado pela equipe carioca exemplifica as soluções encontradas para que jogadores não fiquem parados durante a quarentena. Os profissionais do Centro de Excelência em Performance se reuniram através de teleconferência para elaborar planilhas de treino que foram inseridas em um aplicativo para uso dos atletas.
O home office foi um pedido dos jogadores rubro-negros. Liberados das atividades inicialmente por uma semana, alguns começaram a requisitar trabalhos complementares. O Flamengo mapeou o que cada atleta tinha em sua casa e decidiu desmontar a academia de seu Centro de Treinamento, distribuindo equipamentos para os jogadores.
Quem tinha academia equipada em casa ou na cidade para onde viajou não precisou de material, casos de Filipe Luís, Gabigol, Diego Ribas e Diego Alves.
Quem não tinha tanta estrutura passou a receber o necessário para trabalhos de musculação, como Bruno Henrique, Willian Arão e Léo Pereira. O Flamengo manteve de plantão um time de preparadores, fisiologistas e fisioterapeutas.
ct não pode parar
Os jogadores foram orientados a executarem os programas de treinos do clube e preencher os dados referentes às atividades em um aplicativo administrado pelo preparador físico Márcio Sampaio. Os preparadores Mario Monteiro e Roberto Oliveira ficam à disposição para auxiliar remotamente. Não há obrigatoriedade em realizar as tarefas todos os dias durante a paralisação, mas já há relatos de jogadores pegando pesado nos treinos.
Um deles é Gerson, que foi dos primeiros a solicitar equipamentos para sua casa no Rio. O Flamengo também os enviou para Pedro Rocha, Pedro, Thiago Maia e os goleiros Cesar, Gabriel Baptista e Hugo Souza.
À extensa lista de material enviado ainda se soma um programa de treino aeróbico, que prevê corrida em esteira e treino funcional. Além de musculação, há também programas de mobilidade e elasticidade. A comissão técnica averiguou com os jogadores que quadras e campos de condomínios possuem restrição de uso.
O Centro de Treinamento é uma parte do clube que não pode ficar sem manutenção. Gramado, hidráulica, elétrica, segurança, entre outros serviços essenciais, seguem funcionando com quadro reduzido. Nas demais áreas, como marketing, finanças e jurídico, o funcionamento se dá através de reuniões por aplicativos e contatos por telefone. Hoje, parte dos funcionários entra de férias.
A área de segurança é exceção. Nesta, porém, há cuidados de higiene para evitar a contaminação e disseminação da Covid-19. Os colaboradores precisam usar luvas, máscaras e evitar aproximação de menos de dois metros, além de higienizar o local de trabalho, roupas e calçados com álcool em spray ao chegar e sair. Além disso, os atendimentos ao público foram suspensos por tempo indeterminado. Ouvidoria e Central de Atendimento ao Sócio atendem por meios digitais.
Além do Flamengo, o modelo home office foi adotado forma sistêmica por outros clubes, como o Internacional. O marketing e a mídia do clube gaúcho estão trabalhando com o departamento de futebol conteúdos especiais para os torcedores neste período sem jogos.
O Inter tem procurado levar atividades ao torcedor que ajudem a enfrentar o momento de isolamento social, como pinturas de caricaturas de jogadores, quiz, lista de jogos históricos, entre outras. Parceiros e patrocinadores ganharam espaço especial nas redes sociais do clube, com informações sobre momento atual.
No futebol, o Inter também determinou a suspensão das atividades por tempo indeterminado. Atletas, comissão técnica e demais integrantes do departamento receberam cartilha com orientações para se precaver do coronavírus. Os profissionais da área da preparação física e saúde seguem em contato permanente com os atletas para orientação e supervisão.
O clube acompanha atletas em treinos em suas casas. Os mesmos jogadores também estão participando do processo de conscientização da população sobre os cuidados necessários com o coronavírus. Os profissionais do departamento médico monitoram atletas e seus familiares à distância e ficam disponíveis para atendimentos no clube, em hospitais ou em consultórios em caso de algum caso suspeito. Todos profissionais estão orientados a notificarem o departamento médico se apresentarem algum sintoma. O presidente, Marcelo Medeiros, foi infectado.
No Grêmio, há orientação do preparador físico Márcio Meira para os atletas realizarem atividades físicas em casa, tais como trabalho funcional, alongamentos, abdominais, musculação e exercícios sem grandes esforços. Além do presidente, o clube gaúcho teve mais três casos de contaminação entre dirigentes.
LEIA AMANHÃ: Como um técnico trabalha durante a quarentena