Martes, 06 de Diciembre de 2022

Dois pms são mortos em menos de 24 horas

BrasilO Globo, Brasil 25 de noviembre de 2022

Dois policiais militares foram mortos em menos de 24 horas no Rio. O cabo Maycon Borges da Silva, ...

Dois policiais militares foram mortos em menos de 24 horas no Rio. O cabo Maycon Borges da Silva, de 38 anos, foi atacado ontem perto da estação de trem de Vigário Geral, na Zona Norte. Ele estava num carro da corporação descaracterizado. Na Zona Oeste, traficantes executaram o subtenente do 4º BPM (São Cristóvão) Luis Carlos da Silva, de 52 anos, que entrou na favela Cavalo de Aço, em Senador Camará, para fugir de um engarrafamento no fim da tarde de anteontem. Com esses casos, subiu para 37 o número de PMs assassinados este ano no estado.
Em nota, a Polícia Militar informou que Maycon chegou a ser levado por uma equipe do 16º BPM (Olaria) para o Hospital Caxias D’Or, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, mas não resistiu aos ferimentos. O cabo era casado e estava na corporação desde 2011. Ele era do setor de investigação.
No mesmo ataque, a passageira de um ônibus que passava pelo local foi atingida por uma bala perdida. Ela foi levada para a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) Walter Garcia, em Caxias, e, em seguida, transferida para o Hospital Municipal Adão Pereira Nunes, na mesma cidade. De acordo com o site G1, a vítima, identificada como Estela Mares Campos Peixoto, de 58 anos, foi ferida na barriga e no braço direito.
Reportagem do GLOBO mostrou ontem que cinco pessoas tinham sido vítimas de balas perdidas na Região Metropolitana em 24 horas. Uma delas, que não resistiu, também foi atingida dentro de um ônibus em Caxias durante um confronto entre policiais e bandidos.
Policial tentou fugir
O outro policial militar morto, Luis Carlos da Silva, estava desde 1996 na corporação. De acordo com investigações da Delegacia de Homicídios da Capital, agentes do 14º BPM (Bangu) foram chamados, por volta de 18h30 de anteontem, para verificar a informação de um PM baleado na região conhecida como Ponte dos Cachorros. Por ser considerada uma área conflagrada e dominada pelo tráfico de drogas, o Grupamento de Ações Táticas foi acionado, assim como um veículo blindado.
Enquanto os militares aguardavam para entrar na localidade, foram informados por moradores de que um homem havia sido levado já morto para a UPA de Senador Camará. Em seguida, uma equipe do 40º BPM (Campo Grande) localizou, dentro da comunidade, o carro do subtenente com várias perfurações de tiros de fuzil.
Testemunhas afirmaram que Luis Carlos entrou por engano na favela e que, ao verificar a presença de criminosos, ele se assustou e tentou sair de forma abrupta. Em nota, a Polícia Militar lamentou a morte do subtenente. O Disque-Denúncia divulgou um cartaz em que pede informações sobre os criminosos que mataram o policial.
Ainda na Zona Oeste, um caminhoneiro de Minas Gerais entrou por engano na Vila Aliança, em Bangu, no fim da tarde de anteontem. Baleado na cabeça, William Lúcio Lourenzo, de 46 anos, foi levado para o Hospital Municipal Pedro II, em Santa Cruz. O estado de saúde dele é gravíssimo.
A 34ª DP (Bangu) informou que William e um ajudante faziam um frete de Três Pontas (MG), onde nasceram, para o Rio. Na Avenida Brasil, o GPS informou uma via alternativa para sair do trânsito, e logo em seguida ele foi alvejado.
Desde julho de 2021, foram seis casos em que motoristas acabaram atacados por tiros ao entrarem em favelas por engano. Seis pessoas foram baleadas, sendo que duas morreram. No total, não entram o PM e o caminhoneiro atingidos anteontem.