Viernes, 21 de Junio de 2024

Com menor custo, etfs atraem cada vez mais investidores

BrasilO Globo, Brasil 20 de noviembre de 2023

Os fundos de índice negociados em Bolsa, os chamados Exchange-Traded Funds (ETFs) já formam uma ...

Os fundos de índice negociados em Bolsa, os chamados Exchange-Traded Funds (ETFs) já formam uma indústria de US$ 10 trilhões no mundo. E ainda há potencial para crescer, segundo especialistas. No Brasil, entre 2019 e 2023, o número de investidores nessas carteiras saltou de 111 mil para 503 mil.
A maior parte deste crescimento se explica pelos custos mais baixos para desenvolver, manter e distribuir ETFs aos investidores.
Para o pequeno investidor, esses fundos ajudam a diversificar a carteira sem gastar muito. É possível investir com menos de R$ 100, por meio de cotas negociadas na Bolsa. Para os institucionais, que são os gestores de fundos, eles também são uma ferramenta de redução de custos.
" Ninguém consegue fazer gestão global sem ETF. O produto existe para dar exposição de forma padronizada, barata e fácil a uma coisa que não é simples de fazer: uma carteira diversificada e calculada " afirma Bruno Stein, diretor geral da Global X ETFs no Brasil. " Um exemplo é um dos primeiros ETFs, que segue o índice S&P 500, com ações das 500 maiores empresas americanas. Como alguém ia conseguir comprar todas? É mais fácil só investir no ETF.
Segundo dados da empresa de consultoria e pesquisa ETFGI, há mais de 10 mil ETFs em Bolsas de diversos países, desde aqueles que seguem o S&P 500 ou o Ibovespa até os de nicho, que investem em blockchain ou inteligência artificial. Há sempre uma novidade no radar.
Por que é mais barato?
No Brasil, o mercado de ETFs, apesar do grande crescimento nos últimos anos, ainda é considerado incipiente, com um patrimônio de R$ 41 bilhões " menos de 10% do saldo da caderneta de poupança, de R$ 960 bilhões, segundo dados de outubro.
Por ainda estar pouco disseminado e ser de fácil acesso, a tendência é que continue crescendo com força no país, devido aos cortes na taxa básica de juros (Selic), que reduzem a atratividade da renda fixa.
As taxas de administração menores que as de fundos tradicionais estão entre os principais motivos para a disseminação dos ETFs, que costumam ter gestão passiva. Diferentemente da gestão ativa, na qual o gestor busca superar os índices de referência, a gestão passiva dos ETFs replica uma determinada carteira teórica, como o Ibovespa. Isso reduz os custos.
Enquanto nos fundos de gestão ativa as taxas de administração variam entre 1% e 3% ao ano, nos ETFs elas ficam entre 0,02% e 1,3%, o que contribui para um retorno favorável.
Ainda assim, mesmo os ETFs podem buscar estratégias de gestão ativa. No jargão do mercado, excelentes gestores são conhecidos como "gurus" " mas eles são raros.
Nos Estados Unidos, berço dos ETFs e país onde eles estão mais desenvolvidos, já há o conceito de "ETFs ativos", que são fundos que replicam estratégia de gestores de renome e negociam as cotas em Bolsa. As regras do mercado brasileiro ainda não permitem que isso se repita por aqui. No entanto, o GURU11, ETF do Inter, faz algo similar, reunindo composições de fundos de sucesso, dos "gurus do mercado".
Normalmente, no entanto, a gestão dos ETFs é automatizada, com um algoritmo que passa a trabalhar sozinho depois de ser desenvolvido.
" Temos um time de finanças e tecnologia. Unem-se os dois mundos, que é o que gostamos de chamar de ciência financeira. Nós pegamos esse conhecimento e automatizamos as regras. No fim, é como se transformássemos a cabeça de um gestor num algoritmo " explica João Fernandes, executivo de pesquisa quantitativa da Teva Índices, que desenvolve índices para o mercado de ETFs nacional.
Luiz Fernando Araújo, gestor e presidente da Fincap Investimentos, é otimista sobre os ETFs:
" Não têm comissão, não têm custo de distribuição e vão continuar crescendo. Quando você é um gestor e não tem tempo para fazer a seleção de ativos, você aloca em um ETF.
Há ainda uma vantagem fiscal. Enquanto os fundos tradicionais seguem uma tabela regressiva de taxação que vai de 22,5% a 15% sobre os ganhos, os fundos de índice têm imposto fixado em 15%, sem importar o prazo da aplicação.
La Nación Argentina O Globo Brasil El Mercurio Chile
El Tiempo Colombia La Nación Costa Rica La Prensa Gráfica El Salvador
El Universal México El Comercio Perú El Nuevo Dia Puerto Rico
Listin Diario República
Dominicana
El País Uruguay El Nacional Venezuela