Sábado, 24 de Febrero de 2024

Yes, nós temos quinoa: país produz em escala comercial versão ‘tropical’

BrasilO Globo, Brasil 13 de febrero de 2024

Com um toque tropical, a quinoa " nativa da Bolívia e do Peru " tem se mostrado ...

Com um toque tropical, a quinoa " nativa da Bolívia e do Peru " tem se mostrado alternativa de diversificação de cultivos no Cerrado brasileiro, no Nordeste e até no Sul do país. Apesar de o Brasil importar mais de 90% das cerca de 1,5 mil toneladas consumidas por ano no mercado doméstico, hoje produz e até exporta algumas toneladas do alimento.
À frente da produção brasileira, alguns agricultores foram pioneiros e apostaram no nicho de superalimentos com alto teor nutricional.
" Eu me interessei pela quinoa ao perceber que era a comida recomendada pela Nasa e por ser vegano. Além de ser resistente às variações climáticas, é rica em proteína e é um dos poucos alimentos que contêm os 16 aminoácidos necessários à saúde humana " afirma o paulista Marcel Santos.
Ele deixou um negócio de luminárias na capital paulista para se enveredar na produção da gramínea, que é parente distante do espinafre e da beterraba, mas é confundida com o grupo de cereais.
‘grão de ouro’ dos Andes
Santos cultiva a quinoa em Minas Gerais, Goiás e Brasília, em áreas que totalizam cerca de 300 hectares, espaço que muda de tamanho a depender do ano e dos testes de produção. Essa é, inclusive, uma peculiaridade dos produtores da quinoa brasileira: testando práticas de cultivo, os produtores semeiam em períodos de plantio de culturas tradicionais, como a soja ou feijão, e alteram a área plantada conforme os resultados de produtividade.
O chamado "grão de ouro" dos Andes chegou ao Brasil na década de 1980 por meio de pesquisadores da Embrapa Cerrados, que trouxeram mudas do Peru e da Bolívia. Após anos de estudos e cruzamentos genéticos, nasceu a BRS Piabiru, nome científico da muda com DNA brasileiro. Foram necessários experimentos com diversos produtores. Alguns desistiram e outros enxergaram uma oportunidade de ter lucro com estabilidade.
" A quinoa não oscila como a soja e é o alimento mais completo do mundo " diz o gerente-geral da Fazenda Jaborandi, Antonio Barreto.
A saca de 25 quilos de quinoa pode custar R$ 300, enquanto a saca de 60 quilos de soja oscila atualmente entre R$ 110 e R$130, dependendo da região do Brasil, compara Barreto.
Ele comanda a propriedade, que fica na cidade do mesmo nome, no oeste baiano, e é responsável pela maior fatia de produção do país. Em 2023, colheu 950 toneladas de quinoa, o equivalente a 63,4% das 1,5 mil toneladas consumidas no país, segundo estimativas de Barreto.
Até agora não existe levantamento oficial da produção de quinoa, que é enquadrada junto com outros cereais, como gergelim, chia, linhaça e amaranto, apesar de ser uma gramínea. Na falta de dados, Barreto conta com apoio de consultores e parceiros para obter números de concorrentes e vislumbrar a dimensão do mercado.
A fazenda é do grupo inglês Floryl, de grãos e leguminosas. Ao mirar alternativas proteicas, com melhor preço e que entrassem no nicho de suplementos à alimentação, começaram a testar a quinoa em 2016, mas só em 2018 tiveram a primeira colheita comercial.
Rústica, a planta parece com a do sorgo e tem particularidades de cultivo, como ser plantada entre período de chuvas e ser colhida a uma umidade de no máximo 14 graus.
" Ela é ainda parecida com o trigo, mas rende mais e tem um potencial mercado para se explorar, destacando a sustentabilidade do cultivo, que exige quase nada de pesticidas " diz o pesquisador da Embrapa Cerrados Walter Quadros, um dos pioneiros nos estudos de quinoa no país.
Em 2023, o Brasil plantou uma área ao redor de 1 mil hectares com rendimento médio de duas toneladas por hectare, segundo estimativa da Embrapa.
Se irrigada, a planta pode produzir até 8 toneladas por hectare, e ser opção de segunda safra no lugar do milho. O Brasil tem capacidade para automatizar a colheita e escalá-la para exportar, enquanto nos líderes andinos, ela é feita manualmente, lembra Barreto.
O principal desafio no país, no entanto, é a venda de quinoa devido à falta de "popularidade". Além de vender no mercado doméstico, o grupo inglês exportou 196 toneladas para os Estados Unidos, outras 96 à Espanha e 26 para a Colômbia, que é vizinha do Peru, um dos maiores produtores da semente no mundo.
Na América do Sul, além dos líderes de produção, Argentina e Brasil aparecem como produtores comerciais, ainda que com fatias minúsculas de mercado, segundo a consultoria americana Mordor Intelligence. De acordo com o estudo, há mais de 3 mil variedades no mundo, e apenas algumas comercializadas até agora.
Indústria de cosméticos
Os grãozinhos de quinoa têm características diversas, mas sua cor e nível de saponina são as principais propriedades consideradas na venda. A sapopina é o pó que se solta durante o beneficiamento da quinoa. Esse pó, hoje, é descartado por muitos produtores, embora seja matéria-prima da espuma de xampus e sabonetes vegetais. O produtor Marcel Santos está de olho nisso e começou a fechar negócios com indústrias de cosméticos.
O grupo Boticário, por exemplo, já tem uma linha de 170 produtos com quinoa, majoritariamente importada do Peru devido às garantias de biocontrole da matéria-prima. Em 2017, a companhia desenvolveu uma forma de extrair o óleo puro da quinoa, chamado de bioéster e, desde então, já produziu três toneladas do produto acabado no parque fabril de São José dos Pinhais (PR).
La Nación Argentina O Globo Brasil El Mercurio Chile
El Tiempo Colombia La Nación Costa Rica La Prensa Gráfica El Salvador
El Universal México El Comercio Perú El Nuevo Dia Puerto Rico
Listin Diario República
Dominicana
El País Uruguay El Nacional Venezuela