Sábado, 20 de Julio de 2024

Aquisição do riosul: iguatemi quer atrair grifes inéditas ao rio

BrasilO Globo, Brasil 10 de julio de 2024

A disputa pelo carioca RioSul marca uma nova fase no setor de shopping centers no país, ...

A disputa pelo carioca RioSul marca uma nova fase no setor de shopping centers no país, com apostas concentradas em centros comerciais mais relevantes, aqueles que têm vendas consistentes e movimento recorrente. Após ser disputado pelo grupo Allos, dono do Shopping Leblon e do NorteShopping, o empreendimento foi adquirido pela gestora do Banco do Brasil, a BB Asset, por meio de seu fundo imobiliário BB Premium Malls, e pelo grupo Iguatemi, que volta ao Rio de Janeiro após um jejum de 12 anos desde a venda de uma unidade no bairro de Vila Isabel, na Zona Norte.
Para especialistas, o negócio envolvendo o RioSul marca a estratégia dos grupos de buscar empreendimentos classificados como "dominantes" no setor , de olho ainda em um público consumidor de alta renda. De acordo com fontes de mercado, a estratégia do Iguatemi, que vai administrar o RioSul, é trazer para o shopping grifes nacionais e internacionais que ainda não estão presentes na cidade. Dos 3 mil lojistas que operam nos 16 shoppings do Iguatemi no Brasil, 30% são marcas oriundas do exterior.
O RioSul é o shopping mais antigo do Rio, fundado há mais de 40 anos, com 400 lojas em 52 mil metros quadrados e um fluxo de 1,5 milhão de consumidores por mês. Para consultorias especializadas, as mudanças esperadas com a nova gestão devem fazer frente a rivais como o Shopping Leblon, também na Zona Sul, e o Village Mall, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste.
" A compra do RioSul reflete o movimento dos grandes grupos no país, que estão vendendo shoppings menos importantes e focando suas operações em espaços dominantes. Esse é o cerne da disputa atual, e isso vai se intensificar cada vez mais. É um caminho para diversificar a receita e ganhar mais fôlego em negociações com grandes redes varejistas " diz Luiz Alberto Marinho, sócio da consultoria Gouvêa Malls.
Direito de preferência
O RioSul era controlado pela canadense Brookfield, que detinha 54% das ações, e pela Cia. Brasileira de Shopping Centers (Combrashop), com os 46% restantes. Durante as negociações, Allos e fundos imobiliários de BTG Pactual, Capitânia, XP e Vinci Partners ofereceram, por 54% do empreendimento, um valor entre R$ 1,1 bilhão e R$ 1,2 bilhão.
Porém, na reta final da negociação, a Combrashop exerceu seu poder de preferência e celebrou um acordo de investimento com a BB Asset e o Iguatemi. Para especialistas, a Combrashop não queria abrir mão do controle do empreendimento. Assim, ficou com 50,1% do RioSul, o Iguatemi, com 16,6%, e a BB Asset, com os 33,3% restantes.
O negócio ainda depende do aval do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que regula a concorrência no país, processo que deve levar 45 dias. Após esse período, o Iguatemi vai preparar, em prazo que deve levar até três meses, um plano de investimentos, incluindo mudanças na estrutura física, na arquitetura e uma atualização do mix de lojas.
Em comunicado, o Iguatemi diz que a oportunidade de investimento está alinhada à estratégia de estar nas principais propriedades, nos mercados mais importantes do país, fortalecendo o seu portfólio de ativos. "Uma vez concluída essa operação, a Iguatemi adicionará ao seu portfólio a participação em um dos shoppings mais relevantes do país, na cidade do Rio de Janeiro, que representa o segundo maior PIB do Brasil".
Por ora, os novos sócios descartam mudar o nome do RioSul. Fontes lembram a aquisição do Pátio Higienópolis pelo Iguatemi, que teve o nome mantido. Antônio César Carvalho, sócio-diretor da Acomp Consultoria e Treinamento, especializada em shoppings, diz que a estratégia do Iguatemi será a mudança de perfil:
" O foco será reforçar o RioSul como um shopping premium e voltar a marcar presença no Rio " diz.
O próprio Iguatemi destaca que o entorno do shopping "é altamente qualificado, sendo 81% dos domicílios nas classes A/B e com renda média duas vezes maior que a da cidade". Lembrou ainda que um raio de cinco quilômetros contempla os bairros de Ipanema, Copacabana, Leme, Lagoa, Flamengo e Leblon. O Iguatemi vai pagar R$ 360 milhões para ser sócio do espaço. Ao todo, a transação chegou a cerca de R$ 1,1 bilhão, dizem fontes.
Segundo Marinho, o Iguatemi vai elevar o padrão de lojas no RioSul:
"Hoje, os shoppings que mais crescem são os voltados para as classes A e B. O Iguatemi deve mudar o foco do RioSul, oferecendo uma nova experiência aos consumidores.
La Nación Argentina O Globo Brasil El Mercurio Chile
El Tiempo Colombia La Nación Costa Rica La Prensa Gráfica El Salvador
El Universal México El Comercio Perú El Nuevo Dia Puerto Rico
Listin Diario República
Dominicana
El País Uruguay El Nacional Venezuela