Sábado, 20 de Julio de 2024

Vendas aquecidas animam mercado imobiliário do rio

BrasilO Globo, Brasil 16 de junio de 2024

Ochampanhe já está no gelo, embora ainda faltem seis meses para o ano terminar. Os ...

Ochampanhe já está no gelo, embora ainda faltem seis meses para o ano terminar. Os resultados do primeiro trimestre deste ano animaram o mercado imobiliário. O número de unidades lançadas de janeiro a março cresceu 7% na comparação com o mesmo período do ano passado: foram 3.312 unidades, contra 3.048 no ano ante-rior. O valor geral de vendas (VGV) também teve alta na comparação entre os dois períodos e saltou de R$ 1,49 milhão para R$ 1,664 milhão. Os dados são de pesquisa da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-RJ).
Segundo o lavantamento, o mercado mantém o perfil comprador. As vendas líquidas foram elevadas de 4.393 unidades de janeiro a março do ano passado para 4.532 unidades no mesmo período deste ano. A aprovação do Plano Diretor da Cidade do Rio de Janeiro, a tendência de juros em queda e os baixos estoques de imóveis são fatores que têm impulsionado o mercado imobiliário carioca.
" No ano passado, as vendas estiveram bastante aquecidas, e esse aquecimento vem se mantendo ao longo deste ano também. Há fundamentos muito fortes para que o mercado mantenha o otimismo " afirma o presidente da Ademi-RJ, Marcos Saceanu.
No primeiro trimestre deste ano, o mercado residencial vertical (o de prédios de apartamentos) representava 88,2% da oferta lançada e 94,6% das unidades em estoque. Seis bairros abrigam 43,9% das unidades em estoque na cidade: Barra da Tiju-ca, Jacarepaguá, Recreio dos Bandeirantes, Campo Grande, São Cristóvão e Irajá. Ainda de acordo com o levantamento da Ademi-RJ, de janeiro de 2023 a março de 2024, os apartamentos de dois dormitórios responderam por 66% das vendas líquidas.
Na avaliação do diretor-geral da Lopes Rio, Paulo Nunes, os primeiros meses deste ano superaram todas as expectativas, com as vendas ultrapassando em 90% as do mesmo período do ano passado. Ele acredita que a empresa baterá a meta de R$ 2,5 bilhões em vendas previstas para 2024, já que, historicamente, o movimento do segundo semestre é maior do que o do primeiro.
" Até agora, já vendemos R$ 1,05 bilhão. Em geral, as vendas do primeiro semestre correspondem a 40% do movimento do ano todo " explica.
Segundo ele, há alguns fatores influenciando esses números, como a correção menor do Índice Nacional de Custos da Construção (INCC), a forte retomada dos lançamentos e a crescente demanda por imóveis de dois quartos.
" Essa tipologia é a que tem maior liquidez no mercado hoje, porque atende tanto a quem está começando a vida quanto a quem já criou os filhos e agora busca uma unidade menor para o casal " analisa Nunes.
As incorporadoras também seguem otimistas. A Performance Empreendimentos Imobiliários, por exemplo, depois de lançar um dos campeões de vendas do primeiro trimestre, o Nook, em Copacabana, prepara-se para abrir as vendas de outro empreendimento, desta vez, em um bairro com pouquíssimos lançamentos: São Conrado. A expectativa é a de zerar o estoque no dia da abertura das vendas.
" O mercado esteve bastante agitado no primeiro semestre. Além das vendas do Nook, conseguimos praticamente zerar nosso estoque. Estamos bastante animados para o segundo semestre. Vamos lançar mais oito projetos na Zona Sul, totalizando R$ 1 bilhão em VGV no ano " afirma a diretora Comercial da Performance, Carolina Lindner.
La Nación Argentina O Globo Brasil El Mercurio Chile
El Tiempo Colombia La Nación Costa Rica La Prensa Gráfica El Salvador
El Universal México El Comercio Perú El Nuevo Dia Puerto Rico
Listin Diario República
Dominicana
El País Uruguay El Nacional Venezuela